Lisboa em Camisa

Lisboa em Camisa conta o dia-a-dia de duas famílias burguesas que habitam o 4º andar de um certo edifício da Rua dos Fanqueiros. De um lado moram os Antunes, vindos do Algarve, a quem nascera o primeiro herdeiro já na cidade. Do outro moram os Torres, encabeçados pelo Conselheiro Torres, um chefe de repartição, seguidor fiel de Fontes Pereira de Mello, o “Bismack português”.
Depois de um livro tão mentalmente exigente como foi o anterior, optei por uma leitura mais leve e divertida. Gervásio Lobato foi um conhecido escritor de finais do séc. XIX que, na sua época, trouxe de novo a lume um género literário sobre o qual Gil Vicente foi prolixo: a farsa. A título de curiosidade, este escritor tem como membro da sua árvore genealógica o humorista Nuno Markl. Mas passando ao livro propriamente dito, foi uma divertida e agradável surpresa. A critica social e de costumes roça o estilo de Eça de Queirós, apontando o dedo a uma classe burguesa que prefere parecer algo que não consegue ser. A própria escrita do autor segue a escola realista de Eça, estando povoada de elementos do quotidiano como a descrição das ruas, dos trajes ou dos comportamentos. Mas o que dá a graça essencial ao livro são as peripécias que aparecem em catadupa ao longo das páginas. Cada capítulo apresenta-nos uma diferente, pelo que cheguei ao ponto de pensar para mim mesma “Que mais é que pode acontecer a esta gente?”. Dou apenas alguns exemplos para terem ideia do que falo: as pedras árabes de Justino Antunes que em vez de irem para um museu serviram para fazer uma escada; durante um baptizado, o Conselheiro Torres dá dinheiro à avó da criança, julgando-a ser a parteira; durante um almoço, uma travessa de vitela assada anda num “entra-e-sai” da sala de jantar para a cozinha… Os exemplos são muitos, variados e todos igualmente caricatos. Para dar umas belas gargalhadas, este é o livro ideal.
Classificação: 4/5
“- O que está o senhor aí a berrar por coquetes… – desse ela desabrida, muito malcriada – eu não me posso fazer em coquetes… com meio arrate de carne não se pode fazer mais… não quer gastar dinheiro, e quer dar jantares… eu cá milagres não ser fazer… Ora esta!”

Um pensamento sobre “Lisboa em Camisa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s