Sétimo

*Atenção: para quem não leu Os Sete, toda a opinião tem spoilers*
Sétimo começa no ponto onde termina Os Sete. Depois de César acordar o vampiro Sétimo, Tiago conta todos os acontecimentos passados à maldita criatura. A partir desse ponto, toda a trama começa a desenvolver-se em três planos distintos. De um lado temos Sétimo que parte em busca do Lobo com sede de vingança. Do outro lado está o vampiro Lobo, também ele com sede de vingança, que parte em busca de César. E por fim Tobia, descendente da temida família de caçadores de vampiros, que sai em busca dos “sobreviventes” quando as notícias de estranhos ataques começam a proliferar pelos noticiários. Mas quando César é morto, todos estes planos se baralham até ao precipitar da batalha final.
Se no livro anterior a minha natural tendência de torcer pelos bons e desejar a desgraça dos maus esteve bem vincada, neste novo livro a tendência esteve ao rubro. Quando mataram César e maltrataram Eliana, senti raiva; quando Tiago vampirizou Eliana para a salvar senti empatia; quando Sétimo morreu disse para mim mesma “É bem feito!”; etc. A história continua bastante bem construída mas, de meio para o fim do livro, perde a fluidez por causa da constante sobreposição de planos de narrativa. Por exemplo, num parágrafo a acção acontece no covil dos vampiros e no parágrafo seguinte já estamos a acompanhar movimentações militares das tropas do Tenente Brites. Um elemento interessante desta obra em particular é uma explicação um pouco mais meticulosa de todo o folclore em torno dos vampiros. Morrem em contacto com a luz do sol, a prata e o alho deixa-os fragilizados, etc. Concluindo, este é mais um bom livro para quem gostar de vampiros.
Classificação: 4/5
“Precisava aprender sobre aquela terra, aprender a ser mais um entre os humanos. Os vampiros assimilavam rápido, absorviam informações com uma capacidade cem vezes maior que os humanos comuns. Eram seres inteligentes. Mortalmente inteligentes. Seguiria um dos ensinamentos básicos dos vampiros. Para safar-se da perseguição dos malditos caçadores, Afonso teria de ser um brasileiro entre os brasileiros. Uma garça dentre as garças.”

Um pensamento sobre “Sétimo

  1. Hehehe, nossa flor, você realmente pegou um “carinho” grande por Eliana ou foi impressão minha?? Eu adorei esse livro! Claro, entre “Os sete” e “Sétimo” prefiro o primeiro. Mas agora vai entrar a coleção “Turno da noite”, que é uma continuidade ao Sétimo e se passa no mundo atual, com pessoas normais e tal. Eu só li até o segundo mas achei que ficou muito clichê, sei lá… se você tiver a oportunidade de ser…

    Beijos!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s